Outras Histórias
Pode-se prometer atos, mas não sentimentos; pois estes são involuntários. Quem promete a alguém amá-lo sempre, ou sempre odiá-lo ou ser-lhe sempre fiel, promete algo que não está em seu poder; no entanto, pode prometer aqueles atos que normalmente são consequência do amor, do ódio, da fidelidade, mas também podem nascer de outros motivos: pois caminhos e motivos diversos conduzem a um ato. A promessa de sempre amar alguém significa, portanto: enquanto eu te amar, demonstrarei com atos o meu amor; se eu não mais te amar, continuarei praticando esses mesmos atos, ainda que por outros motivos: de modo que na cabeça de nossos semelhantes permanece a ilusão de que o amor é imutável e sempre o mesmo. Portanto, prometemos a continuidade da aparência do amor quando, sem cegar a nós mesmos, juramos a alguém amor eterno.
Friedrich Nietzsche.  (via oxigenio-dapalavra)

pastadeamendoimcomgeleia:

friend: sorry about the mess!

image

me: sorry about the mess!

image

Não sei mais conviver com as pessoas. Tenho vivido tão só durante tantos anos. Devo estar acostumado. Dormir 24 horas foi a maneira mais delicada que encontrei de não perturbar o meu próprio equilíbrio – que é tão delicado. Estou me transformando aos poucos num ser humano meio viciado em solidão. E que só sabe escrever. Não sei mais falar, abraçar, dar beijos, dizer coisas aparentemente simples como “eu gosto de você”. O que sobra é o áspero do gesto, a secura da palavra. Por trás disso, há muito amor. Perdoem o silêncio, o sono, a rispidez, a solidão. Está ficando tarde, e eu tenho medo de ter desaprendido o jeito.
Caio Fernando Abreu. (via cuidei)

wholesomeblogging:

i can’t stop laughing at this dumb shit omfg

Aquele momento em que eu tento estudar:
Cansada, mas não o tipo de cansaço que o sono conserta.
Deixe a Neve Cair.  (via maybeoneeday)
Quando eu lhe dizia:
— Me apaixono todo dia, e é sempre a pessoa errada.
Você sorriu e disse:
— Eu gosto de você também.
Legião Urbana.  (via autorias)